Pré-conferências de cultura já estão sendo realizadas

Encontros aconteceram na Guarda Municipal e no bairro Cidade Nova; diálogo entre cultura e turismo ocorreu em reunião do Comtur

 

As pré-conferências de cultura já estão acontecendo em Foz do Iguaçu. Organizadas por entidades, órgãos públicos, escolas, universidades, espaços comunitários e coletivos, têm o aval do Conselho Municipal de Políticas Culturais (CMPC). Os encontros têm o objetivo de ampliar o debate sobre a gestão pública da cultura junto à população e antecedem a 3ª. Conferência Municipal de Cultura, que acontecerá nos dias 16 e 17 de outubro, na Fundação Cultural.

A princípio, foram agendadas 13 reuniões em vários espaços, abrangendo todas as regiões da cidade, porém, outros encontros ainda estão sendo definidos. Além das pré-conferências, estão sendo realizados encontros informais em alguns espaços, como ocorreu na tarde de segunda-feira, 31 de agosto, na plenária do Conselho Municipal de Turismo (Comtur), ocasião em que Paulo Bogler, presidente do CMPC e Elaine Mota, conselheira, representante da Secretaria Municipal de Turismo, puderam não só divulgar a conferência, mas também estreitar as relações entre a cultura e o turismo.

Comtur – Na plenária, Paulo Bogler agradeceu aos conselheiros e ao presidente do Comtur, Licério Santos, pelo espaço ofertado, e convidou os mesmos para que participem do evento de outubro. “A conferência é um momento em que a sociedade civil avalia e verifica o que está sendo feito em cada área; queremos fazer uma radiografia da realidade que temos e aonde queremos chegar, e o setor de turismo é fundamental nessa discussão”, disse. “Há coisas relacionadas ao meio turístico que passam pela cultura; por exemplo, nós não temos uma lei de incentivo à cultura em Foz do Iguaçu que poderia ser utilizada para espetáculos, visitação de museus; não temos uma política de proteção do patrimônio cultural; nosso pensamento é manter uma agenda de conversas a partir deste primeiro encontro, para que possamos somar, agregando a cultura ao turismo”, afirmou Paulo Bogler.

Durante a reunião, foi citado o fato do município ter uma pontuação baixa no quesito cultura no Estudo de Competitividade do Ministério do Turismo, pesquisa aplicada anualmente pela Fundação Getúlio Vargas. Licério Santos destacou que “se o Conselho de Cultura conseguir organizar eventos planejados e com datas, seguramente, o turismo pode entrar como um ator importante, pois poderemos oferecer ao turista que está em Foz do Iguaçu; se pudéssemos encerrar um city tour, por exemplo, com uma atividade cultural, teatro, música, capoeira, mas que tivesse uma regularidade para ser inserido como um produto turístico, certamente, teríamos um índice melhor no quesito de cultura no Estudo de Competitividade”, defendeu.

Pré-conferências – Uma das pré-conferências realizadas foi no bairro Cidade Nova, no Colégio Ipê Roxo, na última sexta-feira (28). Participaram 45 pessoas, entre estudantes, professores e agentes culturais da comunidade. Na ocasião, foram inscritos 15 delegados à Conferência de Cultura. As principais propostas apresentadas foram: criação de equipamentos e programas permanentes para as práticas culturais (espaço comunitário com área para apresentações teatrais, musicais, cineclube, entre outros); implantação de oficinas e cursos em várias linguagens artísticas; criação de festivais culturais e valorização dos artistas da cidade; construção de praça e espaço de vivência.

Guarda Municipal – Na segunda-feira (31), a pré-conferência foi na sede da Guarda Municipal, reunindo cerca de 50 pessoas, entre integrantes da banda da GM (projeto social), servidores públicos e agentes culturais da comunidade. Foram inscritos 20 delegados para a conferência. Principais propostas: criação/formalização da banda municipal; realização de oficinas de música; contratação de professores de música habilitados; implantação de projeto musical nas escolas; ocupação de espaços ociosos para a prática cultural; criação de equipe de captação de recursos; construção do Teatro Municipal; fomento à criação de grupos de dança e teatro; concurso público para a Fundação Cultural; valorização dos artistas locais; realização de seminários e cursos para a formação/qualificação de artistas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *